Como superar um coração partido

Se existisse uma pílula mágica que colasse os corações (metaforicamente falando, claro), o mundo seria um lugar muito menos evoluído, porque o sofrimento faz as pessoas amadurecerem. Nem por isso eu desejo sofrer, ou que os outros sofram… Mas a questão é: Como superar um coração partido?

Eu faço aqui uma distinção muito clara entre coração partido pé na bunda. Para consumar o amor, é preciso no mínimo dois corações, mas para que exista o amor, basta um. E isso, meu amigo, é triste. Baseado nas minhas experiências, vim dar um pitaco contundente do que se pode fazer para superar essa fase triste.

PRIMEIRO

Aceite a sua triste sina. É trágico, é doloroso, mas é igual tirar um espinho do dedo. Você pode deixar o espinho ali, quietinho, só pulsando de vez em quando… Sempre levemente dolorido, é melhor não mexer para não doer mais. Mas aquele incômodo sempre vai estar lá. Se você pegar uma pinça e cavocar o dedo para tirar o espinho, vai ser dolorido, vai sangrar, mas depois haverá uma cicatrização concreta e nunca mais aquele dedo vai doer (mas também não vá colocar a mão em novo espinho). Posto isso, não busque justificativas para o que aconteceu ou deixou de acontecer. Aceite que a vida é assim, nem sempre as coisas acontecem segundo nossas vontades e que as pessoas não vão mudar por nós, somente por elas mesmas.

img_4494

a única coisa a fazer é admitir e aceitar que se apaixonou pela pessoa errada mesmo.

Não pense o quão perfeitos um para o outro vocês são, que vocês tem todos os gostos parecidos, ideias de vida, objetivos. Se a pessoa não quer, é porque vocês não são perfeitos um para o outro. Não adianta falar “mas ele mesmo diz que eu sou perfeita pra ele, ele só não quer namorar…”, isso só reforça que vocês não são perfeitos um para o outro. Respeite a decisão, o momento do outro. Não fique sentado em um banquinho esperando a outra pessoa mudar de ideia. Você vai gastar tempo e energia úteis esperando, para um dia acordar e ver que quem você estava esperando está com outra pessoa. Isso literalmente aconteceu comigo, naquele caso do aquariano.

E acontece de que um dia você acorda e é obrigado a admitir “é, o problema não era ele… era eu”. Isso é uma facada no peito, melhor superar logo antes que isso aconteça. Aliás, falando em acordar, isso é muito importante. Não espere que a outra pessoa vá um dia acordar e se arrepender do que ela fez ou deixou de fazer, que ela vá corresponder suas expectativas. Se a gente não controla nossos sentimentos, por que ela haveria de controlar os dela? Os sentimentos não fazem parte do mundo racional, não busque motivos para eles. Você pode ser a pessoa dos sonhos de alguém, mas às vezes o sonho da pessoa que você quer é diferente… Acontece, é um lixo, mas fazer o que? Aceite que você não pode dar o que ela quer, da mesma forma que ela não pode dar o que você quer.

SEGUNDO

Infelizmente o próximo passo é drástico, mas absolutamente necessário. Por mais amor, carinho, consideração ou até mesmo gratidão que você possa sentir pela pessoa, você precisa cortar qualquer energia que te ligue a ela. Isso consiste em bloquear e deletar de todas as redes sociais. Parece coisa de adolescente revoltoso, mas ver o quanto aquela pessoa é linda e está se divertindo sábado à noite não vai ajudar em nada. Ou pior: quando a pessoa está dodói e você não pode fazer um cafuné nela. É dolorido, meu irmão. Bloqueie sim, nem que você precise avisar a pessoa de que fará isso para se distanciar, de que é para o seu bem, e não por punição a ela. Não é que você não queira que ela veja suas coisas (seu sofrimento no caso, vamos ser sinceros), mas você não pode ver ela. O que os olhos não vêem o coração não sente? Vai sentir sim, mas vai sentir menos do que ver o quanto aquela pessoa é maravilhosa e o quanto você sente a falta dela…

TERCEIRO

Você pode sim passar um tempo jogado na cama, chorando e desejando que o mundo acabe. Muitos amigos não conseguem entender que você precisa desse tempo de descanso. O importante é ocupar a cabeça para não ficar pensando obsessivamente no que não deve, ou seja, “com quem será que ele(a) está??? O que será que está fazendo??? Será que ele(a) pensa em mim???”

Meu Deus, não existe fase pior do que pensar “será que ele(a) pensa em mim?”.

ABANDONE ESSES PENSAMENTOS URGENTE

Não vai te levar a nada, só vai reforçar as suas esperanças de voltar atrás, o quanto você está sofrendo e que você sente falta da pessoa.

O objetivo do terceiro passo é ocupar a mente, e para isso qualquer coisa é válida. Por exemplo:

  • Começar a fazer um exercício físico novo: infelizmente eu odeio, mas que fazer exercícios ajuda a melhorar a cabeça, isso ajuda. Adrenalina, oxitocina, dopamina… eu não sei de qual ina se trata, mas é essencial. Não precisa ser nada tradicional e chato, encontre um exercício que você goste. O meu, por exemplo, é natação. Além de que eu adoro o cheiro do cloro na pele!
  • Tenha contato com crianças ou animais: às vezes o abraço de um cachorro ou gato é tudo o que você precisa. E gatos ajudam a limpar a energia negativa. Crianças é sempre bom ter por perto, porque elas fazem coisas engraçadinhas, escrevi sobre isso aqui.
img_1721

eu preciso de um gato mais do que preciso de ar

gato

eu fiquei na dúvida de qual imagem colocar, mas visto o nome do blog eu me achei no direito de usar as duas.

  • Comece uma série nova: sim, fique viciado numa série nova, assim você para de pensar nos seus problemas e fica pensando no dos personagens. A longo prazo não adianta nada, mas pra um momento de crise está ótimo. No meu caso, eu assisti Downton Abbey e Narcos.
  • Leia livros que te prendam: mais uma oportunidade de eu fazer propaganda dos meus próprios posts, estou empreendedora hoje. Eu li sete livros da Agatha Christie enquanto eu estava em processo de superação.  Na verdade, foi quase um livro por semana. O importante aqui é você não pensar no que não deve, e suspenses e mistérios são ótimos para isso. Outra opção é Sherlock Holmes.
  • Inicie um projeto novo: esse é o momento pra você aprender a fazer ponto-cruz com sua avó, testar todas as receitas do seu livro 1001 Receitas Fáceis Com Cúrcuma, se inscrever num curso de línguas, fazer ioga pelo youtube, plantar um jardim com várias flores na época errada, para elas morrerem todas na semana seguinte, começar um curso de trabalhos manuais, desenho, pintura, escultura, marcenaria… Entrar em contato com a sua espiritualidade, fazer um pique-nique no parque, ou até mesmo no jardim de casa. Elaborar uma festa para as crianças do prédio, ser voluntário em algum projeto… Falando nisso:
  • Comece um trabalho voluntário: assim como no caso do exercício físico, ajudar alguém é um dos conselhos mais antigos para se sentir melhor. Sentir que você foi útil para alguém, que você pode ajudar, é de fato recompensador. Trabalho voluntário não significa somente sair na cracolândia dando sopa para moradores de rua, ou construir uma casa para pessoas carentes. São projetos e motivações lindas, mas às vezes você não quer nada tão movimentado. Com certeza existe um trabalho voluntário que se encaixa na sua agenda e na sua vontade, porque não adianta fazer de cara amarrada, você não vai ajudar ninguém desse jeito, muito menos você mesmo. Por exemplo, muitas casas de ajuda, ongs, instituições fazem campanha para arrecadação de nota fiscal paulista (em São Paulo, claro), e precisam de digitadores para cadastrar as notas no sistema. Ou então, você pode ajudar com base na sua profissão. Você pode procurar oferecer seus serviços para comunidades carentes, instituições de ajuda… Depende muito do que você faz, né? Se você não sabe por onde começar, busque se informar nas instituições religiosas, como igrejas, centros espírita, sinagogas, mesquitas, terreiros… Todas elas têm projetos de ajuda e buscam voluntários, e não há necessidade de você ser da religião para isso.
  • Tenha coragem de fazer algo que está na gaveta: cansado do seu trabalho estável? Pense em mudar! Mas não me processe se der errado, meça as consequências… Se você tem 3 filhos para criar sozinho, talvez não seja a hora de pedir demissão. Ok, não precisa pedir demissão e andar nu pela rua, mas talvez distribuir uns currículos. Ou que tal mudar o cabelo pro corte ou cor que você sempre flertou mas tinha medo de ficar ruim? Se ficar ruim, calma: cabelo cresce e a cor sempre dá para mudar. Sempre pensou em fazer uma faculdade, uma pós-graduação? Esse é o momento. E aquela viagem que você vem guardando dinheiro para fazer? Agora é a hora. O meu projeto pessoal foi esse blog. Falando nisso:
  • Escreva: é um processo de autoconhecimento escrever sobre seus sentimentos. Eu particularmente gosto de escrever em um diário de couro, lindíssimo, que eu encomendei aqui. Mas isso é porque eu sou cheia de firulas e tenho paixão por coisas de papel… Você pode escrever em um blog (público ou não), no bloco de notas do celular, mandar e-mails para si mesmo… É bom escrever, você vai colocar os pensamentos em ordem. Não precisa começar com querido diário, pois de fato é ridículo. Escreva uma carta à si mesmo. Eu sempre escrevo da Laís para a Laís, e inclusive me xingo: “como você foi otária dessa vez…” por exemplo!
img_6700

eu sou muito meiga

  • Busque conforto nos seus amigos ou parentes: eles te amam e vão entender o momento que você está passando. Vá tomar um café com eles, ouvir o que eles têm feito: pense menos na sua dor, se distraia. Vá ao cinema, a um restaurante novo. De fato, esquecer alguém exige dinheiro, mas com certeza é possível achar soluções menos custosas: vá a um parque, eu amo pique-nique, pense em fazer um, eu recomendo demais. Ou vá assistir uma série engraçada com seus amigos, dê a sua opinião contundente sobre todos os episódios sim, crie teorias da conspiração.

EM CASO DE CRISE:

Sempre vai ter um dia que você vai estar vulnerável e vai querer jogar tudo pro alto, todas as receitas com cúrcuma que ficaram odiosas pela janela, e procurar aquela pessoa. Procure na verdade a pessoa que está te dando mais apoio, encha ela com mil mensagens, fale tudo o que você precisa falar. Às vezes a gente precisa extravasar, gastar o assunto até que ele diminua de tamanho, de importância. Tudo bem se você já falou a mesma coisa 17 vezes nos últimos três dias, avise a pessoa que ela não precisa opinar ou te aconselhar, que você só precisa falar para alguém aquilo tudo. Depois disso, pegue aquela anotação, carta, enfim, aquele escrito que você fez. Leia quantas vezes for necessário a descrição do seu sofrimento, de quanto você se esforçou para chegar até ali, para não fracassar. Sim, fracassar. É uma palavra forte, não é? Mas, se você está buscando superar alguém que partiu seu coração, voltar atrás é fracassar. Não, não me venha com a justificativa de que mudou de ideia. Infelizmente você não teve forças o suficiente para avançar. Isso me lembra que eu também sempre aconselho a procurar um profissional da área de saúde mental.

Que profissional? Eu não sei, você se sente confortável com que linha? Um analista, psiquiatra, psicoterapeuta, psicólogo…. Não tenha preconceitos em buscar ajuda profissional, isso não significa que você está acabado, sem luz no fim do túnel, ou qualquer metáfora que você preferir. Significa que você se ama a ponto de investir na sua saúde mental, na sua evolução. E se você leu essa frase e fez bico, pensou “mas eu sou um lixo”, então mais um motivo para buscar alguém que te ajude a ver que você não é um lixo. Bem, em certos casos eles ajudam a você deixar de ser lixo, mas isso é outra história… E se você fez bico porque é caro, pense que é um investimento importante na sua saúde, no seu bem-estar. Além disso, muitos profissionais costumam negociar os valores para atender o paciente, e muitas universidades possuem centros de atendimento com estudantes da área de saúde mental, todos supervisionados por profissionais competentes.

Esses três pontos foram essenciais quando eu entrava em crise de saudade. Minhas amigas e minha mãe me ouviram insistentemente dizer a mesma coisa, e agradeço-as pela paciência e amor. Também passei meses falando as mesmas coisas para a minha psicóloga (ela também tem um blog, dê uma olhada!), até que o dia em que pude me perdoar da culpa que sentia, eu mudei de assunto. Também me ajudou muito o fato de eu ter feito uma dolorosa lista no meu pequeno diário, que na época era um caderninho cheio de bichinhos, com todos os motivos que me levaram a tomar aquela atitude. Escreva cartas motivacionais do tipo Persista e Resista, parece bobo na hora, mas depois vai te ajudar.

QUARTO

Depois de passado os primeiros momentos críticos, quando você achar que está tudo indo um pouquinho melhor, cogite sair para a balada, barzinho, shows… Veja gente. Eu sei que não dá vontade de conhecer ninguém novo, que pensar em se envolver de novo parece uma ideia horrorosa, mas o importante é voltar pro corpo social. É um treino, cada vez você se sentirá mais confortável. Eu listei a ação sair pra noite por último, porque se logo após uma ruptura você for festar, as chances de algo der errado, de você beber demais e ligar pra quem não deve, são altíssimas. Evite descontroles.


Eu espero que essas ideias para superar seu coraçãozinho partido possa ajudar, mas lembre: tenha força, porque pode demorar. Dependendo do que aconteceu, não é em dois meses que as coisas melhoram. Você pode pensar agora que nunca na vida irá encontrar mais ninguém, que nunca mais vai gostar de alguém. Tudo bem pensar isso, depois a vida vai te mostrar que você estava errado, como ela sempre faz.

O processo de superação de um amor acaba sendo parecido com o de luto. E nos dois casos é indispensável viver plenamente cada fase, para que todas elas sejam superadas completamente. Exemplifico as fases relacionando-as com a questão do coração partido, e não com a perda por morte:

Fase 1: Negação e choque. Como eu disse lá em cima, o objetivo aqui é aceitar que as coisas são do jeito que são e largar mão de tentar controlar o incontrolável.

Fase 2: Raiva. É o momento de maldizer a pessoa até para o padeiro. É minha fase preferida!

Fase 3: Negociação. Basicamente é quando você passa a negociar consigo mesmo dizendo “ok, não deu certo hoje, mas vou superar e no futuro vamos nos reencontrar, casar, ter filhos, fazer bodas de ouro e ser enterrados no mesmo caixão” ou “ok, ele(a) não me quis, vou malhar feito louco(a) para ele(a) não resistir e voltar para mim”.

Fase 4: Depressão. Aqui o trem descarrilou. Você percebe que não vai adiantar negociar nada, que essa situação é definitiva, e o baque dessa constatação é enorme.

Fase 5: Aceitação. Agora que você percebe que não há outra saída, é o momento de superar efetivamente.

fases do luto

A imagem é desse artigo

Encerro esse post longuíssimo citando RuPaul:

Se você não se amar, como você vai poder amar outra pessoa?

Anúncios
Publicado em: amor

3 comentários sobre “Como superar um coração partido

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s