Seu Barraquinha, o vigia

Como faz um certo tempo que eu não relato nenhum causo, resolvi tirar da gaveta o terceiro episódio das aventuras do Sr. Fábio. Você pode relembrar a história da Edna ou, se preferir, temos a história do Osvaldo.

Hoje vou lhes contemplar com a história do Seu Barraquinha. Só o nome já é maravilhoso, né? Esse é um relato de como o trabalhador brasileiro não tem direito a descansar numa sexta-feira à noite.

Aconteceu mais ou menos em 1988, na mesma fábrica das outras duas histórias. Se tem uma coisa que eu agradeço, é pelo Sr. Fábio ter trabalhado lá. Bem, o Seu Barraquinha era pedreiro e prestava serviços de manutenção regularmente na fábrica. Até que ele se separou e ficou sem ter onde morar. Assim, o Sr. Fábio combinou de ele ir morar no quartinho da cabine primária, onde ficava a entrada de energia elétrica.

cabine-primaria-03

isso é uma cabine primária

E o tempo foi passando e os serviços do Seu Barraquinha começaram a ficar mais enrolados. Havia um muro que não ficava pronto nunca… Fernando, cunhado do Sr. Fábio, passou por lá numa quarta-feira e chegou a brincar: “Ê Barraca, você vai morrer e não vai terminar essa merda!”

Perdão o palavreado, só estou relatando.

Na sexta-feira, às 23 horas, o Sr. Fábio recebeu uma ligação da fábrica: o guarda estava morto no vestiário. Antes fosse somente no vestiário, ele estava era empacotado sentado na privada.

container-vestiario-02

será que o vestiário ficou com fama de assombrado?

A fábrica funcionava 24 horas, e na ocasião o pessoal do terceiro turno estava com medo de trabalhar, por conta do defuntamento do Seu Barraquinha. Para evitar algazarra, o Sr. Fábio dispensou todo mundo e chamou a polícia pelo 190. Já o pessoal do 190 não gostou muito do relato: o vigia morto & sentado na privada? Insólito? Sim. Duvidoso? Também. Nunca se sabe de que forma um assassino pode querer dissimular seu crime, não é verdade? Porém, o caso foi de infarto fulminante.

Logo veio a polícia. Às 2h30, chegou o rabecão (ufa! – foram as palavras do Sr. Fábio): os funcionários da funerária estavam de chinelo e camiseta, com certeza muito felizes por trabalhar na madrugada do sábado.

Última obrigação antes de ir para casa: era necessário avisar a família. E quem tinha o contato da ex-mulher? Ninguém! O Sr. Fábio teve de esperar até às 5h30 da manhã para que o pessoal do primeiro turno chegasse. Eventualmente alguém saberia da ex. Assim foi feito e, às 9h, ela apareceu revoltada, xingando por não terem avisado antes.

A revolta sempre tem seu custo: ela caiu e teve que ir para o hospital levar ponto. Sr. Fábio pôde finalmente ir para casa descansar.

E essa é a história de como o Seu Barraquinha morreu antes do muro ficar pronto.

MG_4062

Anúncios

2 comentários sobre “Seu Barraquinha, o vigia

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s